tletas de oito Estados brasileiros, além do Distrito Federal, competiram nas provas de Shotgun, Rifle e Minirifle durante o feriado prolongado de Corpus Christi

O Clube Náutico Alvorada sediou, de 30 de maio a 1º de junho, o IX Campeonato Brasileiro de Shotgun e Rifle e II Campeonato Brasileiro de Minirifle. Mais de 60 atletas, 48 deles das regiões sul, sudeste, centroeste e nordeste do país estiveram na região participando da prova organizada pelo clube para comemorar seus 50 anos.

Sérgio Biscuola, diretor de Armas Longas e Shotgun da Federação Paulista de Tiro Prático, diz que este foi um dos melhores campeonatos brasileiros dos quais já participou. “Fiquei muito satisfeito com a recepção e parabenizo o clube pela organização e comprometimento com todas as exigências que uma prova desse nível comporta, sem contar com a amizade e o companheirismo dos atletas. O que levamos daqui não tem preço”, enaltece Biscuola, campeão brasileiro de Shotgun – Divisão Standard.

A competição reuniu a elite do tiro prático no país. Do grupo que compareceu ao CNA, 16 atletas atiradores disputam o Panamericano de Shotgun de 27 a 30 de junho nos Estados Unidos. Organizada pelo Clube Náutico Alvorada com a chancela da Confederação Brasileira de Tiro Prático (CBTP) e da Federação Mineira de Tiro Prático (FMTP), a competição seguiu padrão internacional. Foram meses de organização do evento, 24 pistas projetadas exclusivamente para a prova e previamente aprovadas pela matriz da IPSC (International Pratice Shooting Confederation) no Canadá.

ESPORTE DE FAMÍLIA

Difundido no Brasil há mais de 20 anos, o Tiro Prático existe em mais de 90 países. É um esporte dinâmico e faz o atleta usar habilidades intelectuais e físicas como concentração, raciocínio lógico, capacidade de memorização, condicionamento dos reflexos, rapidez de movimentos e controle emocional.

Além disso, o Exército Brasileiro acompanha de perto as competições, fiscaliza e filtra os atiradores, que precisam cumprir várias exigências legais que fazem do esporte uma prática segura.

Esse equilíbrio pode ser sentido de imediato ao se assistir a uma competição. A perícia no manuseio dos equipamentos, a disciplina adotada em todos os momentos da prova e a tranquilidade dos atletas demonstram a seriedade com que o esporte é praticado.

A família do atirador e instrutor Domingos Sálvio Parmagnani, de Brasília, é um exemplo de que o esporte pode trazer ainda mais equilíbrio e união ao relacionamento familiar.  A disciplina que o tiro prático exige se estende a várias outras situações. “As boas notas na escola são requisito fundamental para a prática do esporte e para participação em competições”, destaca o vice-campeão brasileiro de Shotgun – Divisão Manual. As filhas Fabrícia Geovana e Emanuele têm idades de 14 e 16 e atiram há sete anos na categoria Júnior. Disputaram o brasileiro com espingarda calibre 12 (shotgun) e rifle 22.

Catarinense conquista título mais cobiçado

O atleta atirador Luiz Henrique Backes, pentacampeão brasileiro de Shotgun, levou para a cidade de Bombinhas, em Santa Catarina, três medalhas presidenciais concedidas pela matiz da IPSC no Canadá. Duas foram conquistadas no Campeonato Brasileiro disputado na região – classificação Over All e Sênior. A outra, alcançada em uma prova na semana anterior em Brasília, foi entregue oficialmente durante a premiação no CNA.

Para a concessão da medalha presidencial, a competição precisa, necessariamente, preencher requisitos como classificação do nível da prova (mínimo III), homologação da competição pela IPSC e número mínimo de atletas participantes na categoria. É a consagração máxima do atleta.

Backes é empresário do ramo hoteleiro e viaja o Brasil inteiro para as competições de tiro prático. “Vim com a família toda e estou encantado com a exuberância da natureza preservada e com o clube, tão bem estruturado”, valoriza.  Luiz Backes também comenta o nível técnico da prova e o preparo dos árbitros. “A função dos RO’s é garantir a lisura da competição. Além da orientação, sua conduta adequada confere tranquilidade ao atleta e permite que ele possa ter o melhor desempenho. Foi o que encontramos neste campeonato”, avalia.

A competição nacional foi cercada de toda a segurança garantida pelos Range Officers da NROI-BR, árbitros da prova, e pela presença da Polícia Federal e dos militares do Serviço de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército Brasileiro.

CLASSIFICAÇÃO – SHOTGUN

Divisão Open

1º – Lamartine (SP)

2º – Ricardo Augusto (SP)

3º – Alexandre Montgomery (SP)

Divisão Standard

1º – Sergio Biscuola (SP)

2º – Fabiano Cappatto (SP)

3º Luiz Gustavo Sanabio (MG)

Divisão Manual

1º – Luiz Henrique Backes (SC)

2º – Domingos Sálvio Parmagnani (DF)

3º – Wagner Brum (DF)